sexta-feira, 21 de novembro de 2008

O Picadeiro


Eu lembro direitinho um diálogo que tive com um amigo meu, no início do ano passado. Estávamos conversando no MSN quando ele pergunta como andava minha vida amorosa (ironicamente, talvez?). Respondi que estava uma merda, como sempre, porque homens são todos palhaços. Amei a resposta dele:

Mateus – Não, Denny. Não são todos assim, mas são os que tu escolhe!

Eu só escolho palhaços? E essa foi a pergunta que me assombrou por um tempão. Será que deveria abrir um circo? Meu coração se tornou um picadeiro e a culpa é toda minha? É, pode ser. Talvez eu realmente seja péssima julgadora de caráter. Ingênua demais. Ou talvez Deus seja um sádico que aponta para mim e diz pros filhos-da-puta do mundo: “ó, aquela ali adora um cafa”. Como eu duvido que Deus seja assim, e duvido mais ainda que ele perderia seu tempo me mandando cavalos ao invés de príncipes, vai ver eu realmente só escolho os palhaços. Então eu mentalmente vou fazendo a listinha.

Teve aquele Palhaço Comprometido que depois de meses fui descobrir que tinha namorada. E até hoje ele jura de pés juntos que eu “sabia da situação”. Teve o Palhaço Eleitoral que se dizia isso e aquilo, prometia isso e aquilo, mas nunca cumpriu com nada. Me traiu, e depois me traiu de novo, e depois de novo, mas jura até hoje que foi “só uma vez” e que nunca mentiu pra mim (oi?). O mesmo que quis voltar depois, quando ele estava namorando outra garota, e largou um “o namoro com ela é só de fachada”. Que porra é um namoro de fachada? Palhaço mais palhaço que esse, minhas amigas, que acredita nas próprias mentiras, não é pra qualquer uma.

Teve aquele Palhaço Cara-de-Pau que começou a mandar mensagens dando em cima de uma das minhas amigas enquanto ainda estava ficando comigo. Teve aquele Palhaço Fantasminha que sumiu fazendo o clássico “Número do Desaparecimento”. E depois voltou só pra sumir de novo. Teve aquele Palhaço Infantil saído direto da creche de tão monga que ao ser contrariado dizia que iria beber todas e me ligava as 4 da manhã pra ser mais monga ainda. Teve o Palhaço Mundo Paralelo que pensa até hoje que me namorou, mas eu nunca namorei com ele. Tiveram aqueles que simplesmente foram palhaços.

E depois de fazer essa listinha eu chego à conclusão que deveria tirar PHD em Palhaços. Eu poderia passar horas escrevendo sobre cada um deles, esmiuçando palhaçadas. Cheguei à conclusão também de que meu amigo, naquela época, tinha razão. Meu coração era um circo. Uma piada. Mas hoje eu acho muito difícil eu voltar a abrir meu coração para trabalhos circenses. Dá pra dizer que eu aprendi minha lição.

Acho que depois de tanta palhaçada eu consegui perceber que não dá pra sair se jogando nas relações. Tem que ter cautela. E sempre um olho aberto pra possíveis narizes vermelhos. E largar fora na primeira merda proferida por bocas palhaças. Porque a primeira merda é sempre sinal de que muitas outras piores virão. Chega de ser boazinha e relevar idiotices. Quer saber? Se for impossível me livrar dos palhaços, bem que Deus podia me enviar um Palhaço Tira o Som e Deixa a Imagem: quanto mais tempo calado melhor.

Nenhum comentário: