terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Bicho Papão





Eu ainda tenho medo daquele monstro voltar. Tremo só de pensar na possibilidade dele me encontrar novamente. Preciso que ele continue a me perder de rumo, cada vez mais. Preciso que ele procure outras criancinhas indefesas para traumatizar. Eu ainda temo, em cada fibra do meu ser, que aquele monstro retorne por qualquer motivo que seja. Preciso que ele fique longe, sem meu endereço ou telefone.


O monstro pode voltar, é o que eu fico pensando mentalmente. Ele pode um dia voltar, como já fez antes, e querer me assustar de novo. Ele pode querer me aterrorizar novamente só pra saber se ainda consegue. A pergunta é: ele conseguiria? Eu não sei responder, pois não consigo pensar nem na possibilidade de enxergar o monstro de novo, que dirá enfrentá-lo.


Sou uma criancinha inocente que pensa que cresceu. Mas se eu cresci mesmo, não sei. Fico devendo a mim mesma a resposta. Ainda tenho medo. Ainda tremo e sinto calafrios. Ainda olho embaixo da cama todas as noites pra me certificar que o monstro não está ali para puxar o meu pé. Ainda sou pequena comparada a tanta monstruosidade.

Um comentário:

Tati disse...

Amei esse texto!!